Pesquise no blog:

Carregando...

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Encontre o seu mestre interior...


Os estímulos do mundo externo são, para nós, muito mais reais do que a nossa sabedoria interna. Por isso nos tornamos discípulos de alguém, fanáticos de uma religião ou caminho, apegados a pessoas que nos rodeiam, achando que são eles os nossos guias. Vã esperança! O nosso guia não está fora de nós. Está dentro de cada ser.

“A verdade do seu próprio ser mais profundo está tentando mostrar-lhe o caminho a seguir neste exato momento e você pode confiar na orientação interior que lhe está sendo dada. Esta orientação vem por meio de sussurros, e algumas vezes podemos hesitar, sem saber se compreendemos corretamente. As indicações, porém, são claras: seguindo seu guia interior você se sentirá mais pleno, mais integrado, como se estivesse se movimentando a partir do centro do seu próprio ser. Se você a acompanhar, essa célula de luz o conduzirá exatamente onde você precisa ir”.

No entanto, nem sempre é fácil ouvir esta voz interior. Para isso é preciso calma, sossego, paz. Se você sente que um exercício com imagens mentais poderá ajudá-lo a encontrar seu guia interno, tente este. Faça por 7 dias sempre ao acordar e, se sentir que resultou, repita por mais 14 dias, completando um ciclo de 21 dias. Ou continue fazendo sempre que sentir necessário. Se estiver fazendo outro exercício não misture. Espere que o outro acabe para começar este.

Exercício para encontrar seu mestre interior. 

Sentado, olhos fechados, pés firmes no chão, mãos apoiadas nas pernas com as palmas viradas para dentro, respire calmamente três vezes e leve sua atenção para a sua intenção (que está no título do exercício) e veja, sinta, ouça, perceba ou imagine que entra dentro do seu coração pelo orifício do seu corpo que achar melhor. Examine bem o ambiente do seu coração. Se estiver apertado alargue o espaço. Se estiver escuro ilumine com luz cor de rosa. Se as paredes forem opacas substitua por cristais translúcidos. Caminhe então para o centro do seu coração chamando pelo seu mestre. Conte lentamente e mentalmente até 6 e veja ou imagine que vê uma porta que se abre e por ela entra o seu mestre . Vá ao encontro dele. Abrace-o e seja abraçado por ele. Ouça o conselho que ele tem para lhe dar. Então marque um encontro com ele para revê-lo todos os dias. E sentindo que encontrou seu mestre, despeça-se dele, saia do seu coração pelo mesmo caminho que usou para entrar dentro dele e sentindo-se pleno, leve, alegre e firmemente sentado na cadeira, respire e abra os olhos.

Exercício do Livro
Tarô Zen do Osho


Árvores, ensinamentos e julgamentos


Um homem tinha quatro filhos.
Ele queria que seus filhos aprendessem a não ter pressa quando fizessem seus julgamentos.
Por isso, convidou cada um deles para fazer uma viagem e observar uma pereira plantada num local distante.
O primeiro filho chegou lá no INVERNO, o segundo na PRIMAVERA, o terceiro no VERÃO e o quarto, o caçula, no OUTONO.
Quando eles retornaram, o pai os reuniu e pediu que contassem o que tinham visto.

O primeiro que chegou lá no INVERNO.

Disse que a árvore era feia e acrescentou: 
“- Além de feia, ela é seca e retorcida!”

O segundo que chegou lá na PRIMAVERA.
Disse que aquilo não era verdade.
Contou que encontrou uma árvore cheia de botões, e carregada de promessas.

O terceiro que chegou no VERÃO.
Disse que ela estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer que eram a coisa mais graciosa que ele jamais tinha visto.

O último filho que chegou no OUTONO.
Disse que a árvore estava carregada e arqueada cheia de frutas, vida e promessas...

O pai então explicou a seus filhos que todos eles estavam certos, 
porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore...
Ele disse que não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, 
por apenas uma estação.

A essência do que se é, (como o prazer, a alegria e o amor que vem da vida) só pode ser constatada no final de tudo, exatamente como no momento em que todas as estações do ano se completam!

Se alguém desistir no INVERNO, perderá as promessas da PRIMAVERA, a beleza do VERÃO, a expectativa do OUTONO.

Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras.
Não julgue a vida apenas por uma estação difícil.

Bom dia!

imagem:google


terça-feira, 22 de julho de 2014

Espalhe afeto...


"A vida só é uma luta para quem acredita que está numa guerra.Para quem está focado no amor, as armas são deixadas no chão e a vida torna-se um eterno render-se ao momento presente.Seja subversivo, espalhe afeto num mundo focado na competição!"

Gisela Vallin
imagemdaqui

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Você maior...



As redes sociais alimentam, mas não são as únicas responsáveis pela egolatria que tomou conta do mundo. Vivendo numa bolha chamada sociedade de consumo, cada um de nós passou a ser encarado como um produto e, como tal, precisa se vender. 

Para se colocar bem no mercado do amor e no mercado de trabalho, tornou-se obrigatório apresentar um perfil, e então tratamos de falar muito sobre nós, sobre nossos atributos e tudo o que possa fazer a gente avançar em relação à concorrência, que não é pequena. Somos os publicitários de nós mesmos, uns mais discretos, outros mais exibidos, mas todos procurando encantar o próximo, que propaganda nada mais é do que isso: a arte de seduzir.

Contraditoriamente, quando se torna necessário falarmos não de nossos atributos, mas de nossas dores, de nossas inseguranças e de nossos defeitos, fechamos a boca. Mesmo os que estão bem perto, aqueles que nos são íntimos, não escutam a nossa voz. Calamos por temer um julgamento sumário. Produtos precisam ser eficientes, não podem ter falhas.

A boa notícia é que tudo isso é um absurdo. Não somos um produto. Não precisamos de slogan, embalagem, jingle. Estamos aqui para conviver, e não para sermos consumidos. E, se quisermos que realmente nos conheçam, o ideal seria parar de nos anunciarmos como o último copo d’água do deserto.

O documentário Eu Maior, um dos trabalhos mais tocantes a que assisti nos últimos tempos, traz o depoimento de filósofos, artistas, cientistas e ambientalistas sobre quem verdadeiramente somos e como devemos nos relacionar com o universo. Entre várias colocações ponderadas, teve uma de Marina Silva que tomei como uma lição de comportamento: “Você descobre a qualidade de uma pessoa não quando ela fala de si, mas quando ela fala dos outros”.

Ou seja, o que revela sua verdadeira natureza são os comentários venenosos que costuma distribuir ou os elogios que faz sobre amigos e desconhecidos. São as fofocas que oculta para não menosprezar seus semelhantes ou que espalha por aí, acrescentando uma maldadezinha extra. Você é avaliado de forma mais precisa através da sua capacidade de enaltecer o positivo que há ao seu redor ou de propagar o negativismo que sobressai em tudo o que vê.

Você demonstra que é uma pessoa maior – ou menor – de acordo com sua necessidade de diminuir ou de valorizar aqueles que o rodeiam, de acordo com um olhar que deveria ser justo, mas que quase sempre é competitivo. É através das suas palavras amorosas ou das suas declarações injuriantes que os outros saberão exatamente quem é você – pouco importando o que você diga sobre si mesmo.

Sobre você mesmo, deixe que falemos nós.

Martha Medeiros
Na sua coluna no jornal ZH do dia 20/07/2014.


Para assistir ao filme "Eu Maior" que Martha se refere...clique AQUI

Não leve as experiências da vida tão a sério...


"Não leve as experiências da vida tão a sério. Não deixe principalmente que elas o magoem, pois na realidade, nada mais são do que experiências de sonho... Se as circunstâncias forem ruins e você precisar suportá-las, não faça delas uma parte de você mesmo. Desempenhe o seu papel no palco da vida, mas nunca esqueça de que se trata apenas de um papel. O que você perder no mundo não será uma perda para sua alma. Confie em Deus e destrua o medo, que paralisa todos os esforços para ser bem sucedido e atrai exatamente aquilo que você receia."

Paramahansa Yogananda
imagemdaqui

domingo, 20 de julho de 2014

Os Ipês amarelos do mestre...


"Sei que não me resta muito tempo. Já é crepúsculo. Não tenho medo da morte. O que sinto, na verdade, é tristeza. O mundo é muito bonito! Gostaria de ficar por aqui… Escrever é o meu jeito de ficar por aqui. Cada texto é uma semente. Depois que eu for, elas ficarão. Quem sabe se transformarão em árvores! Torço para que sejam ipês-amarelos…"

Eterno Rubem Alves

E ele se foi...
Mas os ipês amarelos ficaram por aqui...
Floridos... no meu coração...

Reveja os posts do blog, com algumas sementes deixadas por ele...

Eterno...

Essa é uma singela homenagem do Blog 
a esse maravilhoso escritor que deixou a vida física no dia 19 de julho de 2014.

Saiba mais sobre ele AQUI

sexta-feira, 18 de julho de 2014

O sol está brilhando lá fora?


O sol está brilhando lá fora?
Não importa.
Como ele está brilhando dentro de você? 

Use cada centelha de força interior para ajudar o seu sol interno a brilhar, mais e mais, cada vez mais. Não existem limites para este brilho, você vê? Mesmo quando as nuvens o cobrem, ele continua brilhando. 

Trabalhe-se e trabalhe-se e trabalhe-se para que hoje e sempre este brilho apenas aumente. Seja bondoso consigo mesmo e com as outras pessoas. Se encontrar alguém na dor, empreste o seu sorriso. Ilumine todos os recônditos possíveis de serem iluminados - em si mesmo e nos outros. Fale palavras de amor e evite os julgamentos mas, caso eles venham, perdoe-se por isso.

Seja o amor e fale do amor e aja com amor e faça amor e questione-se sempre: "se eu fosse feito exclusivamente de amor, o que faria agora?". 

E daí, faça.
Ilumine.

Flávia Melissa
imagemdaqui



quinta-feira, 17 de julho de 2014

Flor do dia


“Existem momentos na jornada nos quais não há o que possa ser feito. Você precisa se render porque, por mais que haja um eu controlador desesperado dentro de você, ele não pode fazer absolutamente nada. Esse momento chega quando você percebe a estupidez que é forçar que as coisas aconteçam de um jeito diferente do que a vida está oferecendo, ou seja, a estupidez que é tentar ir contra o fluxo da vida. Esse não é um momento fácil porque requer uma profunda confiança na justiça divina. Você está sendo convidado a descobrir a sabedoria da incerteza. Nesse momento, você deve se valer dos sinais que chegam para você, mesmo que de uma forma aparentemente injusta.”

Sri Prem Baba
imagem:dreamstime.com

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Não seja um Eco...


“Nunca reclame do que não tem, mas exalte sempre o que tem. Assim, você encontrará grandeza nas pequenas coisas. Não viva debaixo do estímulo-resposta, ação-reação, bateu-levou. Não agrida quem te agride. Não compre a violência que você não produziu.” 

Augusto Cury

A raiva está dentro...



Um dos maiores mestres zen, Lin Chi, costumava dizer: "Quando eu era jovem, adorava andar de barco. Eu tinha um barquinho e remava sozinho num lago. Eu ficava ali durante horas.

"Uma vez, eu estava no meu barco, de olhos fechados, meditando, numa noite esplêndida. Então um outro barco veio flutuando, trazido pela corrente, e bateu no meu. Meus olhos estavam fechados, então eu pensei. 'Alguém bateu no meu barco'. Enchi-me de raiva.

"Abri os olhos e estava a ponto de vociferar algo para o homem, quando percebi que o barco estava vazio! Então não havia onde descarregar a minha raiva. Em quem eu iria extravasá-la? O barco estava vazio, à deriva no lago e tinha colidido com o meu. Então não havia nada a fazer. Não havia possibilidade de projetar a raiva num barco vazio."

Então Lin Chi continuou: "Eu fechei os olhos. A raiva estava ali. Mas não sabia como extravasar. Eu fechei os olhos simplesmente e flutuei de volta com a raiva. E esse barco vazio tornou-se a minha descoberta. Eu atingi um ponto dentro de mim naquela noite silenciosa. Esse barco vazio foi meu mestre. E, se agora alguém vem me insultar, eu rio e digo: 'Esse barco também está vazio'. Fecho os olhos e mergulho dentro de mim". 

Desconheço autoria
imagemdaqui

terça-feira, 15 de julho de 2014

Onde você está?


Nada acontece do dia para a noite.
Tudo é processo.
Antes, durante, depois.
Onde você está?
Na grande maioria das vezes estabelecemos para nós mesmos a seguinte equação: ser bem sucedido ou ser um fracasso. E, partindo deste pressuposto, não importa o quanto estejamos no caminho: se ainda não tivermos atingido o posto de bem sucedidos... A alternativa que resta é ser um fracasso.
Nada é preto ou branco.
Tudo são diferentes tonalidades de cinza.
O sol está à pino ou a lua está a pino apenas por alguns instantes ao dia/noite. Todo o resto é movimento.
Onde você está?
Seja mais carinhoso consigo mesmo. Seja mais paciente e compassivo consigo mesmo. Nada é uma coisa ou outra, tudo é processo.
Não importa onde você está, e sim em qual direção está caminhando. A direção é mais importante do que a velocidade. E cada pequeno passo conta.
Onde você está?

Flávia Melissa
imagemdaqui


segunda-feira, 14 de julho de 2014

Interesse-se por sí mesmo!


Precisamos nos tornar interessantes para nós mesmos para depois nos tornar interessantes para os outros.
Deveríamos trocar a busca pelas pessoas certas, clientes certos , negócios certos, pela autogestão de nossos temores e expectativas internas.
Ao invés de tentar entender o que se passa com o outro , deveríamos entender o que acontece dentro de nós,o que move nossas emoções e o que tranca nossa energia, o que move nossos comportamentos e o que nos paralisa, aprender a remover as nossas barreiras é abrir espaço para o interessante e os interessados se aproximarem.
Quando você olha ao seu redor e percebe que quer mais, é o momento para olhar para dentro e se tornar mais.
Tudo que você quer ver materializado na sua vida é uma construção que começa dentro do próprio terreno da sua mente.
Crie um terreno fértil para sua expansão. Você é um eterno tornar-se.
Interesse-se por sí mesmo. Invista em você e naturalmente tudo que estiver fora , fará o mesmo.

Rosalia Schwark.

domingo, 13 de julho de 2014

Névoa dourada...


"Antes de se deitar, desligue a luz e sente-se na cama. Feche os olhos, relaxe seu corpo e sinta como se todo o quarto estivesse envolvido por uma névoa dourada. Visualize essa névoa ao seu redor durante um minuto. Em poucos dias você vai perceber que seu quarto se tornará luminoso.
Inspire e sinta a névoa dourada sendo inspirada profundamente em seu coração. Seu coração é apenas uma cavidade sendo preenchida por essa névoa dourada. Quando expirar, sinta-a esvaziando seu coração. Não há nada mais dentro dele.
A névoa dourada enche o coração, seu ser interior, e depois o esvazia - exatamente como a respiração. Com a inspiração, você o preenche; com a expiração, você o esvazia.
Faça isso durante cinco a sete minutos e depois se deite. Mas só durma quando se sentir vazio, nunca quando estiver cheio da névoa dourada. Seu sono será diferente. Você sentirá o vácuo, o nada, o não-ser. E pela manhã será como se você estivesse em outro lugar, como se tivesse desaparecido.
Antes de levantar da cama, sente-se durante cinco minutos e repita o processo. Só levante quando se sentir completamente preenchido com a névoa dourada. Retenha-a dentro de si e saia. Durante todo o dia você sentirá uma energia sutil fluindo.
Ao dormir, esvazie o coração; ao levantar, sinta-se preenchido pela névoa. Viva um dia de plenitude e uma noite de esvaziamento.
A etapa seguinte é deixar que a névoa dourada encha e esvazie seu coração: você é um observador. Não é nem uma coisa nem outra: nem dia nem noite, nem vazio nem plenitude - você é apenas uma testemunha."

Osho, em "Uma Farmácia Para a Alma"
imagemdaqui


sábado, 12 de julho de 2014

Flor do dia


“Ansiedade, tristeza, angústia contínua, depressão... Esses podem ser sintomas de um aspecto do orgulho conhecido como perfeccionismo. Esse é um aspecto do eu idealizado viciado em autocrítica, que está sempre condenando e julgando. O eu idealizado é um tirano cruel que não admite erros. Você tem que ser o melhor entre os melhores, a pedra mais preciosa. Então você se coloca em um movimento compulsivo de fazer, e está sempre se cobrando, se punindo e exigindo de si mesmo. Isso não permite que você relaxe para perceber que você já é um diamante - você já é a pedra mais preciosa, e é justamente essa compulsão de provar algo para o mundo que te impede de manifestar seu brilho.” 

Sri Prem Baba
imagemdaqui

sexta-feira, 11 de julho de 2014

O suave...


O suave sempre supera o rígido. O suave é vivo; o rígido é morto. O suave é como uma flor; o rígido é como uma rocha. O rígido parece poderoso, mas é impotente; o suave parece frágil, mas é vivo.

Tudo o que é vivo sempre é frágil, e quanto mais elevada a qualidade da vida, mais frágil ela é. Assim, quanto mais fundo você for, mais suave se tornará, ou quanto mais suave você se tornar, mais fundo irá. O âmago mais profundo é absolutamente suave.

Este é todo o ensinamento de Lao Tzu, o ensinamento de Tao: seja suave, seja como a água e não como a rocha. A água cai sobre a rocha, e ninguém pode imaginar que finalmente a água irá vencer. É impossível acreditar que a água irá vencer. A rocha parece ser tão forte, tão agressiva, e a água parece tão passiva... Como a água irá vencer a rocha? Mas, no momento devido, a rocha simplesmente desaparece. Aos poucos, o suave penetra no rígido.

Assim, deixe que isso seja uma lembrança constante. Sempre que você começar a sentir que está se tornando rígido, imediatamente relaxe e torne-se suave, seja qual for a conseqüência. Mesmo se você for derrotado e momentaneamente perceber que haverá uma perda, deixe que haja a perda, mas torne-se suave – porque, a longo prazo, a suavidade sempre vence.

Osho
no livro: 365 Meditações Diárias pg 268

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...